16 November 2009

Está a chover!

Acordei bem disposta, com uma vontade enorme de correr para a escola (o que não é usual), vontade de sorrir, mimar aqueles que mais gosto, uma vontade enorme de viver. O dia não estava muito sorridente, mas também não exprimia tristeza, pensei para comigo que me iria correr bem. Corri para a escola e respirei bem fundo, senti o cheiro a carros e agitação, ao qual já me habituei. Cheguei e reparei que as pessoas não estavam muito sorridentes, mas decidi iniciar uma missão: ESPALHAR SORRISOS! Passei o tempo a sorrir, e a tentar animar todos aqueles que passavam por mim e interagiram, com alguns resultou, com outros não. Tomei a minha refeição num café perto da minha escola com uma colega, estivemos a falar sobre o amor, continuei bem disposta.

O dia escureceu, começou a chover torrencialmente, subitamente, e como que por magia negra, a minha felicidade e energia foi como que sugada. E novamente, lá me encontrava eu na minha aula de espanhol a perguntar a mim mesma a pergunta que faço todas as aulas: "Porque é que a professora não sorri?", acho que nunca a vi expressar sequer um sinal de felicidade, e é algo que me faz muito sinceramente confusão, estou tão habituada à felicidade, e ver alguém que pura e simplesmente nunca sorri, é algo que muito sinceramente me complica com o sistema nervoso. Sabem o que é que me apetece? Abana-la e perguntar-lhe porque não sorri. Nós só temos uma vida e ela desperdiça-a com a tristeza estampada no rosto. Hoje pela primeira vez vi-a sorrir numa fracção de segundo, ela devia sorrir mais. A chuva continuava, e via a água a cair com raíva no chão, como se estivesse zangada com a terra, pensei para mim, talvez a chuva seja como a minha professora, está sempre num dia mau. Entre a chuva, reparei então, estavam a cair pedacinhos pequeninos de neve, e senti uma felicidade a crescer, o que não durou muito, pois a neve parou imediatamente, e a chuva voltou ainda com mais força. A minha professora continuava com a mesma cara, como se alguém lhe tivesse feito mal. A tristeza em mim é quase rara, eu prefiro não a mostrar, mesmo quando me sinto assim, pois na minha opinião o facto de eu estar triste só transmite más energias para quem está a minha volta, e se assim acontecer, tornamos o mundo, num sitio bastante deprimente, e não quero viver o resto da minha vida num sitio onde ninguém sorri.

Já imaginaram o mundo sem a magia de cada sorriso que observamos? Devo dizer-vos que a ideia me assusta. Vim para casa, com o meu chapéu de estampado de leopardo aberto, e a andar muito devagar, com receio de cair em alguma poça, sim, porque sou bastante desastrada, e cair numa poça não seria algo estranho vindo de mim. Cheguei a casa, e hoje não me sinto completa, não me sinto feliz, mas também não me sinto triste. Falta alguma coisa, mas não sei o que é, mas falta algo. Amanhã tenho novamente aula de espanhol, e vou tentar fazer com que a professora sorria, não quero que as suas más energias me façam ficar triste, não gosto de tristeza. Talvez amanhã não esteja a chover e ela esteja com mais disposição para finalmente começar a sorrir. Mas talvez continue a chover, e nesse caso terei de me habituar ao frio, à chuva e a todas as expressões que as pessoas fazem num dia de chuva. Uma coisa é certa, o meu sorriso não desaparece só por estar a chover!

1 comment:

_punkeca_ said...

yap, eu faço a mesma pergunta sempre que vejo aquela coisa insensivel...
olha, tenho a dizer-te que me inspiraste.. por isso criei um blog para mim tb (sim, va chama-me macaca de imitaçao...) mas ainda nao escrevi nada. :) LOL
BJS ly